• yveleda

Open Finance e Open Banking: definições e diferenças

E se contássemos que é possível ter total controle sobre sua vida financeira, você se interessaria? Não só é possível como já vem sendo implantado no Brasil o chamado Open Finance, um sistema seguro de compartilhamento de dados financeiros. Mais do que um termo novo, essa é uma grande inovação do mercado financeiro nacional.


Não entendeu onde fica sua autonomia nisso? Continue a leitura, prometemos tirar todas suas dúvidas sobre essa nova forma de lidar com seu dinheiro que promete mais liberdade, explicando sobretudo o conceito de open finance, sua relação e diferenças com o open banking.



Relembrando o conceito de Open Banking


O Open Banking é um termo do setor de serviços financeiros usado para designar uma espécie de sistema bancário aberto de compartilhamento de dados bancários pessoais.


Esse sistema financeiro aberto possui regras sobre o uso e compartilhamento de dados e informações financeiras entre instituições bancárias reguladas com punho de ferro. O correntista é o dono de seus dados bancários e apenas ele pode liberar o compartilhamento destes com outros bancos para a contratação de serviços bancários sem ter que, por exemplo, abrir uma nova conta e iniciar o cadastro do zero.


A ideia é a seguinte: a pessoa terá conta em apenas uma instituição – vamos chamar de A – mas poderá compartilhar seus dados bancários ao contratar serviços financeiros de outra instituição bancária sem ser aquela da titularidade primária – no caso, a B. Interessante, não é?


Compartilhada tais informações bancárias, o cliente pode acessar todos os seus dados em um só lugar, sem precisar migrar entre plataformas, o que facilita sua gestão financeira.


Além disso, o propósito desse compartilhamento é incentivar a concorrência entre os bancos, pois se mais de um banco tem acesso ao seu perfil, com histórico de comportamento, cada um deles vai fazer o seu melhor para oferecer a você as melhores condições e os melhores serviços bancários.


O Open Banking já está em fase de implementação pelo Banco Central do Brasil desde 1 de fevereiro de 2021.


E o Open Finance, o que é?


O Open Finance é uma evolução do Open Banking. Surgiu porque notou-se a necessidade de que o compartilhamento de dados não se desse somente entre instituições bancárias, mas também em outros sistemas financeiros como câmbio, investimentos, fundos de pensão, previdência social, corretoras, etc.


Mas então qual a diferença entre os dois modelos?


A diferença central entre Open Banking e Open Finance repousa sobre o fato de que, no primeiro, o compartilhamento de dados apenas se dava entre instituições financeiras e de pagamento. No Open Finance, outros players do sistema financeiro podem ser envolvidos.


Você pode acompanhar o calendário completo de implantação do Open Banking e a expansão desse modelo para o Open Finance no site do Banco Central do Brasil.


Na prática, como será o Open Finance?


Ampliar as possibilidades financeiras e agilizar o processo de compartilhamento de informações do histórico bancário com instituições diversas para além de bancos gera mais autonomia e dinamismo ao cliente e, consequentemente, ao setor financeiro.


Partindo dessa premissa, na prática esse sistema aberto vai funcionar com o acesso único das informações de todas as contas e transações financeiras do cliente. É esperada uma melhor gestão de agregadores de compartilhamentos de dados de maneira unificada e no aplicativo de escolha dos clientes.


Segurança e proteção de dados


Sistemas financeiros abertos podem gerar uma certa confusão ou desconfiança, como aquela expressada pela famosa pergunta "aberto para quem?". Fique tranquilo, seus dados financeiros não estarão disponíveis na rede pública de computadores!


A denominação "aberto" não quer dizer que qualquer pessoa pode ter acesso a essas informações, e sim que as instituições bancárias, com a permissão do correntista, podem partilhar dados bancários e históricos de transação com outras.


O cliente decide como, quando e com quem compartilha suas informações, e isso traz mais facilidade na contratação de serviços financeiros nas diversas instituições do setor no país.


Isso significa maior prioridade na segurança de informações de modo que todos esses processamentos são obrigatoriamente e rigorosamente protegidos e supervisionados pelo Banco Central a fim de garantir tanto a segurança do sistema financeiro nacional como o sigilo bancário dos clientes.


Já ouviu falar da Lei Geral de Proteção de Dados, a LGPD? Pois bem, todo o processo de Open Banking e Open Finance seguem diretrizes legais para lidar com os dados pessoais dos clientes do sistema financeiro. É, de fato, seguro.


Vantagens do Open Finance para os clientes


Essa globalização e unificação de dados pessoais bancários só tem a melhorar o fornecimento de serviços financeiros, haja vista a citada competitividade positiva e a favor do cliente e do mercado financeiro. Conheça mais alguns benefícios que acredita-se que irão advir da implementação do Open Finance e sua adesão pelo público (tal como foi com o PIX):

  • gestão financeira simplificada: os clientes terão acesso de forma integral a sua movimentação financeira em uma única plataforma;

  • melhores serviços e condições financeiras: com o compartilhamento do histórico financeiro, as instituições em geral irão conhecer melhor o perfil de cada cliente e personalizar suas ofertas;

  • otimização de tempo: todas as transações financeiras poderão ser executadas em um único lugar;

  • menos burocracia: clientes poderão ter acesso a serviços financeiros de diversas instituições sem ter que abrir múltiplas contas;

  • autonomia: tanto o Open Banking como o Open Finance dependem do consentimento do cliente para o compartilhamento dos dados, ou seja, a adesão é opcional e pode ser modificada a qualquer momento.

E aí, o que achou desses sistemas financeiros abertos? Conte para nós! A EA Banking School acredita que estar a par das inovações do setor financeiro faz com que os profissionais da atualidade sejam mais capacitados, haja vista que a certificação bancária sozinha não faz milagre. Venha aprender conosco!