• EA Banking School

Correspondente bancário: o que é e quais os tipos? Conheça!

Trabalhar como correspondente bancário é uma boa alternativa para quem pretende atuar na carreira financeira por meio de uma pessoa jurídica, vinculado ou não a outro tipo de negócio. Já ouviu falar a respeito?


Venha com a gente entender quais as funções do correspondente bancário, a importância desta profissão, como fazer para se tornar um e aproveitar todas as vantagens. Vamos lá?


O que faz um correspondente bancário e como se tornar um

O que é um correspondente bancário?


Podemos resumir um correspondente bancário como uma pessoa jurídica que conecta as pessoas aos serviços financeiros que um determinado banco oferece, disponibilizando serviços para que o consumidor não precise necessariamente se deslocar até uma agência bancária.


Além de tornar o dia a dia mais prático para os consumidores, os correspondentes bancários são muito importantes para cidades do país onde não existem agências bancárias, oferecendo serviços para que a região não fique desamparada. Outra vantagem deste tipo de serviço é diminuir o deslocamento da população até os grandes centros urbanos, o que ajuda a reduzir o fluxo de pessoas nas agências.


Quem são os correspondentes bancários? Aquela lotérica do seu bairro, um comércio que recebe boletos, uma construtora que, além de vender imóveis, consegue oferecer acesso a créditos: todos estes são bons exemplos de correspondentes bancários.


O que faz um correspondente bancário?


Como você viu, o correspondente bancário oferece os serviços das instituições para os clientes, certo? Entre as atividades, podemos listar: recebimento de cobranças, pagamentos, abertura de contas, operações cambiais e até empréstimos.


Essas tarefas não são exercidas de qualquer maneira, uma vez que devem seguir todas as regras estabelecidas na Resolução 3.954 do Banco Central. No artigo 8º encontramos as atividades definidas:

  • Recepção e encaminhamento de propostas de abertura de contas de depósitos à vista, a prazo e de poupança mantidas pela instituição contratante;

  • Realização de recebimentos, pagamentos e transferências eletrônicas visando à movimentação de contas de depósitos de titularidade de clientes mantidas pela instituição contratante;

  • Recebimentos e pagamentos de qualquer natureza, e outras atividades decorrentes da execução de contratos e convênios de prestação de serviços mantidos pela instituição contratante com terceiros;

  • Recepção e encaminhamento de propostas de fornecimento de cartões de crédito de responsabilidade da instituição contratante;

  • Realização de operações de câmbio de responsabilidade da instituição contratante, observado o disposto no art. 9º.


Ainda conforme a Resolução do Banco Central, todos os atendimentos do correspondente bancário precisam seguir as diretrizes da instituição que representa, garantindo a: "integridade, confiabilidade, segurança e o sigilo das transações realizadas".


Leia também: Migração de Carreira - quais os pontos de atenção?


Tipos de correspondentes bancários


Existem diferentes ramos de atuação quando falamos em correspondência bancária, relacionadas às atividades que estes podem desempenhar. São basicamente 3 tipos e vamos explicar a seguir:


- Correspondente bancário transacional


Este tipo de correspondente realiza diversas transações diferentes ao consumidor, como pagamentos de contas de água, luz, telefone, entre outros boletos, além de oferecer os serviços para recebimentos do governo e aplicação e resgate do fundo de garantia.


- Correspondente bancário negocial


Chamamos de correspondente bancário negocial os estabelecimentos que funcionam como intermediador de financiamentos, refinanciamento de veículos, empréstimos com garantia de imóvel, dentre outros tipos.


- Correspondente consignado


Como o próprio nome sugere, este tipo de correspondente é responsável em oferecer apenas crédito consignado aos consumidores.


Quanto ganha um correspondente bancário?


A remuneração do correspondente bancário é formada por comissões existentes em cada operação realizada em nome da instituição, então, quanto mais operações realizar, maior serão os rendimentos. As porcentagens de comissão variam de acordo com a tabela de cada banco.


Uma maneira de receber cada vez mais é através da fidelização de clientes no seu estabelecimento, oferecendo um bom atendimento e conquistando a confiança dos usuários para ter a casa sempre cheia.


Quem paga o correspondente bancário?


O responsável pelo pagamento aos correspondentes é a instituição financeira que o contratou, conforme as condições estipuladas em contrato. É muito importante ressaltar também que o correspondente não pode fazer cobranças de taxas ou tarifas extras ao consumidor em nome da instituição financeira. Se algum correspondente o fizer, estará agindo de má fé para tirar vantagens dos consumidores.


O que é preciso para se tornar um correspondente bancário?


Um dos primeiros requisitos para ser um correspondente é ter um cadastro de pessoa jurídica. É muito comum também surgir a dúvida se um MEI pode ser correspondente bancário e a resposta é sim. Inclusive fizemos um conteúdo especial falando sobre isso, contando como um MEI pode se tornar correspondente, não deixe de conferir.


- Como se tornar um correspondente bancário transacional?


Se o seu objetivo é ser um correspondente transacional, ou seja, que oferece apenas os serviços básicos, basta apenas entrar em contato com a instituição que deseja ser representante. Eles informarão os documentos necessários e, caso a parceria seja aprovada, farão os contatos necessários para o Banco Central analisar e aprovar (ou não) o cadastro.


- Como se tornar um correspondente bancário negocial?


Agora, para oferecer serviços como transações de crédito e setores bancários, é necessário que o profissional tenha certificações da área financeira para garantir o melhor preparo acerca da variedade de serviços. Nós fizemos um guia com as principais certificações necessárias para atuar em instituições financeiras que vale a pena estar por dentro.


Além disso, é importante ressaltar que cada banco terá as suas exigências particulares para definir um bom correspondente bancário, portanto, o profissional precisará se adequar aos protocolos dos bancos para executar as atividades em nome deles.


Então, defina com quais produtos vai trabalhar, encontre as instituições para parceria, procure pelas certificações para estar de acordo com a lei e entre em contato para iniciar os trabalhos. Quem sabe essa não é uma boa oportunidade para trabalhar na área financeira com uma cartela de clientes fiéis? Até o próximo post!