ea-banking-school-logo.png

“Não faltam oportunidades, talvez, falte apresentar esse mundo às mulheres", Patricia Cezar

Atualizado: Ago 30

Nosso artigo de hoje é escrito pela CEO e sócia-fundadora da Zahl Investimentos, Patricia Cezar. Ela é uma das grandes personalidades femininas presentes no mercado financeiro brasileiro e foi convidada do evento Nossas Finanças, Nossas Regras, que teve o objetivo de abrir espaço para novas discussões e aprofundar cada vez mais o papel da mulher no mercado financeiro.


Seu artigo complementa a live que realizou no dia 08 de março e fortalece ainda mais o tema Mulheres no Mercado Financeiro e de Investimentos, explorado por ela durante a estreia do evento.



Mulheres no Mercado Financeiro e de Investimentos


Estou há quase 14 anos no mercado financeiro e, até hoje, sou exceção na posição que ocupo – atualmente, sou CEO da Zahl Investimentos, escritório de assessoria de investimentos. Ainda me deparo com reuniões e encontros do mercado financeiro com salas repletas de homens e praticamente nenhuma mulher (isso quando não sou a única).


Somos a minoria quando pensamos em mulheres no mercado financeiro como uma carreira profissional a ser seguida, mas também no ponto de vista de investidoras.Começando pelo lado das mulheres como investidoras, os homens ainda são uma maioria esmagadora. Segundo a B3, as mulheres representam cerca de 25% dos CPFs cadastrados na Bolsa. No Tesouro Direto, somos 31%.


Quando olhamos esses dados, o peso da história acaba se mostrando uma realidade: até hoje, muitas decisões financeiras nas famílias são tomadas por homens. Não pela incapacidade de uma mulher tomar tais decisões, mas pelo simples fato de que convivemos com isso há muito tempo e, por vezes, nem percebemos como isso pode não fazer sentido.


Para mudar esse cenário e fazermos cada vez mais mulheres se tornarem investidoras, nada mais necessário do que a educação financeira. Isso desde quando somos muito jovens (e, claro, educação financeira para todos, pois sabemos que independente de homens ou mulheres, o Brasil possui um enorme déficit neste quesito). Quanto mais conversarmos sobre as possibilidades disponíveis e, também, sobre como remunerar melhor o dinheiro que possuímos, teremos cada vez mais mulheres financeiramente independentes e isso só traz benefícios para a sociedade como um todo.


Já pensando no mercado financeiro como uma carreira a ser seguida, é fato que o mercado, desde quando iniciei como assessora de investimentos em 2007, já mudou bastante, mas ainda somos minoria. Na XP Investimentos, por exemplo, aproximadamente 22% de todos os colaboradores são mulheres. Na Zahl, somos 33 mulheres em um universo de 90 colaboradores.


É fato que existe um estigma enorme sobre mulheres trabalhando com finanças – até pouco tempo, o mundo nem sequer permitia mulheres terem contas em bancos, só podíamos trabalhar com a autorização do marido e por aí vai. Hoje, estamos em um mundo em mudança e evolução e o mercado financeiro pode trazer diferentes carreiras e formatos de trabalho. No geral, o mercado financeiro exige uma grande dedicação, tanto em horas trabalhadas quanto em tempo dedicado à constante atualização na profissão, já que poucos mercados são tão dinâmicos como o financeiro.


A carreira no mercado financeiro pode se desenvolver em diversas frentes, como assessoria e consultoria de investimentos, gestão de fundos ou grandes fortunas, analista de empresas e mercados, desenvolvimento de programas e robôs para aplicações financeiras, por exemplo. Para funções que haja a necessidade de algum tipo de certificação, as mulheres são a minoria em praticamente todas elas: somos 17% de todos os assessores de investimentos que possuem certificação da ANCORD, 35% de todos os com certificação CEA (Certificação de Especialista em Investimentos da ANBIMA), 23% com certificação CFP® (Certified Financial Planner) e apenas 6% com certificação CGA (Certificação de Gestores de Carteiras da ANBIMA).


Existe uma carreira no mercado financeiro para cada perfil profissional: algumas mais focadas em atendimento a clientes, outras à análise de dados e outras dedicadas à planejamento. Não faltam oportunidades, talvez, o que falte é apresentar esse mundo a diversas outras mulheres que não conhecem todas essas possibilidades.



E aí, gostou o artigo da Patricia Cezar?


Abaixo, você assiste ao evento Nossas Finanças, Nossas Regras em que ela participou e abordou este tema.