Mercado financeiro e o poder do essencialismo

O essencialismo é basicamente a busca por menos. Durante nossas rotinas profissionais e pessoais, por vezes, nos vemos atônitos em meio a obrigações e pressões exacerbadas, que impedem uma produção coerente e assertiva.

Mas, então, como poderíamos mudar essa realidade e assumir o controle da nossa produtividade, para render, ao mesmo tempo, mais e melhor?


Leia o artigo do professor Roberto Cazzetta e entenda como aplicar os conceitos do essencialismo em sua jornada profissional, por meio de hacks ensinados passo a passo por ele.



Quando menos é mais: o poder do essencialismo

Não é novidade para ninguém que a sociedade, especialmente no meio profissional e corporativo, possui desafios cada vez maiores e que, geralmente, vêm acompanhados de uma sobrecarga de tarefas e atividades. Produzir mais e entregar mais resultados diante de um mercado tão dinâmico tornou-se não só importante, como essencial para o crescimento na carreira.

Diante disso, muitos profissionais (eu, inclusive) acabam caindo na armadilha de querer “abraçar o mundo”, atender a tudo e a todos e fazer o máximo possível de atividades que for possível dentro de um espaço de tempo. Ao sentir que, na verdade, estava me sobrecarregando e não produzindo tanto assim, comecei a me aprofundar mais no tema produtividade e acabei descobrindo técnicas e mindsets que me ajudaram a pensar e agir de forma mais eficiente.

Um material que foi bastante útil, nesse sentido, foi o livro Essencialismo: a disciplinada busca por menos, de Greg McKeown (Editora Sextante). Deste livro pude extrair alguns insights interessantes e que me ajudaram a ter uma maior produtividade e um melhor aproveitamento do tempo, sem que isso significasse estar fazendo tudo e “atirando” para todos os lados.

O livro separa o processo de ser mais essencialista em quatro partes: essência, explorar, eliminar e executar. Vou trazer alguns insights de cada parte do livro. Eis alguns deles:

Diante de algum pedido, perguntar-se: “essa é a coisa mais importante que eu deveria fazer com o meu tempo e meus recursos nesse momento?”

O simples ato de raciocinar e se questionar antes de aceitar algum pedido ou começar a executar algo, já cria um filtro poderoso para nem começar a fazer algo que não seja importante e considerando o tempo disponível. Aproveito para trazer um insight de outro livro, o Trabalhe 4 horas por Semana (Tim Ferris): cole na sua agenda/notebook/lembrete a seguinte frase: “Você está inventando coisas para evitar fazer o que é mais difícil e importante?”. Essa atitude, por mais estúpida que pareça, melhorou muito minha eficácia.

Para ter foco é preciso escapar para criar o foco

Ninguém discute que ter foco é, ao mesmo tempo, algo fundamental para a qualidade do trabalho e difícil de conseguir nos dias de hoje. Com tanto excesso de informação e interação com outros seres humanos, fica cada vez mais complicado ter a disciplina de se focar exclusivamente em algo. A questão é que quando se executa um trabalho com foco, a produtividade aumenta muito e, além disso, projetos que exigem criatividade ou algum nível de reflexão vão exigir alto grau de foco.

Entretanto, dada a dificuldade de obter de forma natural esses espaços de tempo, é necessário que o profissional reserve algum momento de seu dia para parar e pensar. Pode parecer pura perda de tempo, ainda mais quando a agenda está lotada de compromissos, mas esse período de descanso é vital para acionar a potência total da mente e, consequentemente, melhorar a execução do trabalho, ou pensar em novas formas de executá-lo, que sejam mais eficientes.

Tenha objetivos extremamente claros

O primeiro passo de qualquer projeto é estabelecer onde queremos chegar. Pode parecer trivial, mas um caminho confuso começa com um objetivo confuso, assim como um caminho claro começa com um objetivo claro. Quanto mais específico e tangível for o objetivo, mais fácil será chegar até ele e, especialmente, mais fácil será identificar no meio do trajeto aquilo que não me leva até ele!

Isso me levou a pensar da seguinte forma quando estou em dúvida entre realizar a Tarefa A ou a Tarefa B: Qual delas me leva mais rápido para mais perto do meu objetivo final e qual delas me atrasa ou me distancia do meu objetivo final?

A grande vantagem de pensar dessa forma é que facilita a tomada de decisão, que é algo extremamente difícil. Tomar decisões é eliminar algo e eliminar algo sempre é difícil, pois temos o costume de nos apegar a tudo, sejam pessoas, projetos ou tarefas! Essa maneira “binomial” de pensar traz maior clareza e facilidade em escolher: essa tarefa me leva mais longe ou mais perto do meu objetivo em relação à outra tarefa? Ponto!

Claro que nem todas as escolhas serão assim tão evidentes, mas pensar dessa forma ajuda a eliminar e treina a nossa mente para a tomada de decisão mais rápida e eficiente.

Crie rotinas

Uma frase que gosto muito, no livro, é: “pessoas muito criativas usam rotinas rígidas para liberar a mente”. Nos meus conteúdos, sempre menciono o imenso poder da criatividade. Muitas pessoas acham que seu trabalho não exige ou que não há espaço para a criatividade em suas tarefas, mas eu refuto completamente isso. Em qualquer atividade sempre há espaço para planejar, criar e executar de forma diferente. A humanidade só evoluiu porque pensou em novas formas de executar diferentes processos, obtendo ganhos de eficiência e melhores resultados com menos esforço.

Então, uma vez que você definiu bem seus objetivos e separou parte do seu tempo para pensar e refletir, você pode passar o resto do tempo focado em executar aquilo que você planejou e, para tal, é necessário criar padrões e rotinas que tornem a execução mais automática possível. Uma vez definida a rotina de ações, as quais você planeja que devem te levar para mais perto do seu objetivo, você pode entrar numa espécie de “piloto automático”, e é nesse momento que sua produtividade acelera, pois é muito mais rápido executar tarefas organizadas e em uma sequência lógica. O grande desafio aqui é “defender” sua rotina das interrupções e, por isso, saber dizer “não” (com educação) é muito importante.

Concluindo, gostaria de deixar um convite para quem quer conhecer mais sobre o tema produtividade em uma live que gravei há um tempo, sobre a qual que recebi muitos feedbacks positivos:




O Essencialismo, em certo ponto, deixa de ser somente uma técnica de produtividade profissional e passa a ser aplicado em todos os aspectos de nossa vida, ajudando a aumentar aquilo que de mais precioso podemos ter: o tempo livre!

Gostou do conteúdo?

O blog da EA Banking School é alimentado semanalmente com artigos exclusivos, como este, para auxiliar na sua jornada profissional.

Conheça, também, nosso catálogo de produtos, e saiba como o professor Roberto Cazzetta pode te ajudar a avançar ainda mais na carreira bancária e financeira.