ea-banking-school-logo.png

Índices financeiros empresarias: conheça os indicadores de liquidez!

Atualizado: há 3 dias



Entender como uma empresa se encontra financeiramente e economicamente faz parte da proteção patrimonial do negócio, certo? E é exatamente neste ponto que os indicadores de liquidez se aplicam!


Ter ciência e conhecimento sobre ferramentas que possam auxiliar o profissional a saber a quantas anda seu negócio ou investimento é essencial para que ele se desenvolva com saúde. Sim, isso mesmo que você leu: a saúde organizacional e do ativo fazem diferença no mercado.


Levando isso em consideração, e entendendo a necessidade de análise constante de atividades empresariais, neste post queremos esclarecer o que são, como funcionam e para que servem, de fato, os indicadores de liquidez.


O que a liquidez representa no campo empresarial e financeiro?


Antes mesmo de entender o que são indicadores, é importante ter uma noção básica do que a liquidez significa no contexto econômico e negocial.


No sistema negocial, a liquidez diz respeito à capacidade de solvência de uma empresa, ou seja, se esta possui ativos suficientes convertíveis em dinheiro para honrar com as obrigações e compromissos por ela assumidos.


No viés financeiro de investimentos, a liquidez diz respeito também a um ativo que poderá ser convertido em valores sem perdas, mas, neste caso, não se visualiza a solvência, e sim a capacidade de conversão da aplicação sem desvalorização de seu valor. A facilidade com que um investidor consegue vender seu investimento em ativos (títulos públicos, poupanças, ações etc.) é ligada à cotização de resgate sobre o investimento.


Ambos os entendimentos, que são complementares, serão tidos como base de toda a explanação a seguir.


Para que servem os indicadores de liquidez?


Os indicadores de liquidez funcionam como um meio para a análise da capacidade monetária de uma empresa para cumprir com as obrigações do passivo (despesas e dívidas), logo, eles supervisionam a saúde financeira de qualquer negócio a fim de garanti-lo em vigência.


Por exemplo, se o fluxo caixa de um negócio é bem administrado – tanto para entradas como saídas – estamos falando de uma organização com alto grau de liquidez.


Como reunir informações sobre estes indicados?


O balanço patrimonial é a forma pelo qual os gestores irão reunir dados sobre os ativos e passivos de uma empresa e, assim, calcular seus índices, averiguando a solvência da organização. Parece difícil pela definição, mas ficará bem mais simples quando se entende cada indicador.


Desta maneira, é importante que se tenha conhecimento acerca do conceito e aplicabilidade de cada um dos tipos de indicadores de liquidez para analisar o cumprimento de obrigações de uma empresa, bem como se ela vale o investimento em seus ativos. Vem conosco?


Quais são os indicadores de liquidez?


Os especialistas do universo financeiro, econômico e negocial ampliam o conceito de indicadores de liquidez em 4 modelos distintos, que serão basicamente utilizados pelo setor de contabilidade de uma organização.


Cada indicador, além de ter um modelo diferenciado de análise, ainda diz respeito a um prazo e capacidades de adimplemento diferentes. O passo 1 é observar a fórmula de cada indicador para o resultado final:

  • bom grau de liquidez: resultado maior que 1;

  • recursos se igualam ao passivo: resultado = 1;

  • não vislumbra possibilidade de arcar com as obrigações: resultado menor que 1.

Neste ponto, é perceptível que valores maiores que 1 indicam altos graus de liquidez, ou seja, de adimplência, enquanto graus iguais ou menores que 1 podem significar tanto incapacidade de pagamento ou recursos concentrados a longo prazo (e por isso não disponíveis agora). Temos de analisar também a situação em que o resultado se aplica.


Mas para isso, vamos aos tipos de indicadores!


1. Indicador de Liquidez corrente


O indicador de liquidez corrente também pode ser chamado de comum por ter a função medir a capacidade financeira da empresa de adimplir suas obrigações a curto prazo. Essa, de fato, representa a saúde do caixa da empresa.


O indicador de liquidez corrente é o mais importante para averiguar como está a gestão financeira de um negócio, e é essencial que este indicador tenha como valor de seu cálculo o resultado superior a 1.


O cálculo de liquidez corrente se dá pela divisão dos ativos em circulação da empresa (os de curto prazo, como o estoque) pela passivo circulante (fornecedores, impostos, empréstimos etc.), e este balanço deverá ser realizado periodicamente, sem falta:

  • liquidez corrente: ativo circulante / passivo circulante = resultado (que deve ser maior que 1).

2. Indicador de liquidez seca


Sendo muito similar ao indicador de liquidez corrente, o de liquidez seca difere apenas quanto ao cálculo sobre o estoque. Por ser um índice conservador, faz um cálculo de ativos muito mais rigoroso, e por isso apenas considera as obrigações a curto prazo da empresa, ainda que esta não consiga vender o que tem estocado.


Diz respeito, então, ao real valor que a empresa tem a sua disposição – dinheiro em caixa, aplicações, bens e direitos, sem o estoque. Ainda assim, normalmente, se iguala ou pouco decai se comparado à liquidez corrente.


O formato do cômputo de liquidez seca dá pela retirada do estoque do ativo circulante e divisão da sobra pelo passivo circulante:

  • liquidez seca: (ativo circulante - estoque) / passivo circulante = resultado (que deve ser igual ou menor ao indicador de liquidez);

3. Indicadores de liquidez imediata


Os indicadores de liquidez imediata levam tudo em consideração – tudo mesmo: ativos disponíveis e passivos integrais – em conta, pois avaliam a possibilidade da empresa de lidar com uma emergência financeira. Este formato de indicador é importante justamente porque dará a visão ao gestor de como a atividade negocial poderia reagir com agilidade frente às inúmeras incertezas do mercado e manter-se em atividade.


O cálculo dos indicadores de liquidez imediata também retira o estoque e as contas a receber (já que tem que lidar com o que tem "em mãos"), utilizando apenas os ativos disponíveis para sanar o passivo circulante:

  • liquidez imediata: ativo disponível / passivo circulante = capacidade de solvência imediata;

4. Indicadores de liquidez geral


Na liquidez geral, os índices levantados averiguam a capacidade financeira da empresa a médio e longo prazo. Este indicador representa, então, se a empresa possui capital suficiente para cobrir todas as possibilidades de dívidas.


É importante constar que o cômputo da liquidez geral apenas poderá ser realizado com o apoio dos 3 indicadores anteriores.


Isso se dá por que o cálculo da liquidez geral, além de abranger todo ativo e passivo, são ainda adicionados os ativos realizáveis a longo prazo e o passível exigível a longo prazo, logo, tanto uma análise a curto prazo como a de média a longo prazo é efetiva:

  • liquidez geral: (ativo circulante + realizável a longo prazo) / (passivo circulante + passivo não circulante) = capacidade de solvência

Considerando o conteúdo, indicamos uma leitura para o investidor em potencial sobre Como comprar ações. Com esses dados, sua compra será muito mais sólida.


Agora que você entende um pouco mais sobre o endividamento empresarial e os fatores pelos quais essa situação poderá ser avaliada, prevista e até remediada, é importante frisar que o controle da atividade empresarial influencia também na forma como os investidores encontram possibilidade de aplicações.


Se um gestor quer que o mercado financeiro trabalhe ao seu favor, é importante que possua um alto grau de percepção sobre a gestão financeira de um negócio. Aos investidores, busquem sempre empresas com alto grau de liquidez para investir, pois agora você possui conhecimento de como fazer seu dinheiro trabalhar para você.


Conte com a EA Banking School para se especializar nesse e diversos outros temas sobre o mundo dos investimentos!