Conheça as oportunidades como autônomo no mercado financeiro

Construir uma carreira não é algo simples e não ocorre de um dia para o outro, especialmente no mercado financeiro, que passa por uma profunda e rápida transformação. Nesse processo, um dos atributos mais importantes é o autoconhecimento: para saber qual o melhor caminho a trilhar, é preciso conhecer bem os seus pontos fortes e fracos, aquilo que se gosta e o que não se gosta de fazer.


Para as pessoas que possuem um perfil mais de profissional liberal, ou seja, gostam de trabalhar sozinhos, sem chefes ou equipes, preferem depender mais dos seus próprios esforços e valorizam a flexibilidade e liberdade de atuação, existem alguns caminhos para atuar como autônomo no mercado financeiro. Neste artigo, vou trazer algumas das opções que estão em evidência e que podem ser uma opção interessante.





Agente Autônomo de Investimentos (AAI)


Talvez esse seja o mais conhecido de todos. O AAI trabalha como autônomo, mas vinculado a uma corretora específica, captando clientes e auxiliando os mesmos a investirem nas opções disponibilizadas pela plataforma e operações em bolsa de valores. O papel do AAI é conectar pessoas com os investimentos, cuidando especialmente da parte operacional e prestando suporte sobre os produtos e mercados, não podendo fazer recomendações. Os seus ganhos vêm das comissões recebidas de acordo com o volume e a modalidade das aplicações realizadas pelos seus clientes. É necessário obter a certificação ANCORD e ser credenciado pela CVM.


Planejador Financeiro


Este profissional realiza o planejamento financeiro familiar dos seus clientes. No planejamento financeiro, os principais objetivos são a construção de um orçamento, traçar objetivos pessoais e financeiros, montar uma Política de Investimentos, com alocação de carteira, planejar a aposentadoria, identificar e gerenciar riscos pessoais, e fazer o planejamento fiscal e sucessório. Atualmente não existe regulação para esta atividade, entretanto é altamente recomendado que se obtenha a Certificação CFP, emitida pela Planejar, no Brasil. A remuneração é flexível e pode ser cobrada por atendimento, por hora, por percentual do patrimônio, etc. É importante frisar que o Planejador Financeiro não pode recomendar compra e venda de ativos específicos, função que é autorizada para o próximo tipo de profissional.



Consultor de Valores Mobiliários


Credenciado pela CVM, o Consultor de Valores Mobiliários (ou Consultor de Investimentos) tem que ser independente, não podendo ter vínculo com nenhuma instituição financeira. Este profissional geralmente possui muitos anos de experiência e atua na montagem e alocação da carteira de investimentos dos seus clientes, não só podendo recomendar compra e venda de ativos, como pode representar legalmente seu cliente para tais fins, sendo, portanto, um profissional de extrema confiança. Seus ganhos normalmente vêm da cobrança de uma taxa percentual sobre o valor da carteira, podendo cobrar taxa de performance.



Educador Financeiro


O educador pode atuar de forma independente atendendo ao público em geral ou atendendo a segmentos específicos como clientes de uma instituição ou funcionários de uma empresa. Sua função é ensinar finanças básicas para as pessoas, podendo atuar de forma digital ou presencial. Com exceções, normalmente quem atua como Educador Financeiro tem esta atividade como uma fonte de renda complementar, uma vez que essa atividade ainda é bem incipiente no país. O Educador pode cobrar por assinaturas, por cursos realizados e outros conteúdos pagos.



Professor de Finanças


Exercido geralmente por quem já possui uma certa experiência profissional e formação acadêmica, o professor de finanças pode atuar em diferentes instituições de ensino, nas áreas de graduação e pós-graduação. Um segmento alternativo, mas consolidado é o de aulas preparatórias para exames de certificações Financeiras, já que é comum o mercado financeiro exigir a conquista de alguns certificados, seja como pré-requisito ou como distinção a depender de qual atividade o profissional deseja exercer. A remuneração geralmente é por hora.



Correspondente Bancário


A função de correspondente bancário é uma das que mais tem crescido e se transformado nos últimos anos. Apesar do nome não ser atrativo, o correspondente bancário atua como um intermediador entre as instituições financeiras e os clientes, podendo atuar com diversos produtos como crédito (diversas modalidades), consórcio, adquirência (meios de pagamento), seguros, entre outros. Alguns escritórios e fintechs recrutam autônomos para atuar no modelo de correspondente como um marketplace, oferecendo os serviços de diversas instituições financeiras em um mesmo canal, físico ou digital. Os ganhos do correspondente vêm de comissões por negócio gerado.



Corretor de Seguros e Previdência


Profissional que deve ser habilitado através de exame de certificação e atua na intermediação de apólices de seguros (vida e demais ramos) e previdência. A área de seguros e previdência privada ainda é pequena no Brasil, em função da questão cultural de pouco planejamento quanto a riscos e aposentadoria. O corretor de seguros pode atuar dentro de uma Corretora, ou montar o seu próprio escritório e a sua remuneração é uma comissão recebida da seguradora de acordo com o valor da apólice contratada.


Portanto, seja por perfil, ou até mesmo em uma situação onde não está conseguindo uma colocação no mercado de trabalho, trabalhar como autônomo pode ser uma boa opção de carreira profissional dentro do mercado financeiro, tanto para quem está começando e precisa pegar experiência, como para quem é mais experiente e quer alterar sua forma de trabalhar. As oportunidades dentro do mercado financeiro são muitas.